Domingo, 31 de Dezembro de 2006

Explicação aos Utentes

Este blog apenas tem uma coluna de links e afins por uma razão muito simples, aqui não há descriminação para com quem não distingue a esquerda da direita. Tentem imaginar como estas pessoas se sentem quando a meio da leitura de um post, o autor as remete para uma das duas colunas.Pois, nunca tinham pensado nisso…
publicado por Conde da Buraca às 09:34
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Dezembro de 2006

Reflexões Teológicas - Maomé, o José Mourinho dos Céus

Já tinha conhecimento que, segundo o Corão, Cristo terá sido um dos profetas da palavra de Alá (uma espécie de presidente do Real Madrid, tantas são as estrelas que compõem o seu plantel). Parece que com o passar dos tempos, a depuração dos ensinamentos de J.C. obrigou a nova intervenção do Todo Poderoso (desta através do profeta Maomé) de forma a que nos fosse revelado mais uma vez o caminho da salvação. No ponto de vista aqui do ateu, a referida referência a Cristo no Corão é uma jogada estratégica de mestre. O que ganharia o Islão, desmarcando-se radicalmente do Cristianismo, religião com uma comunidade de fiéis numerosa e com séculos de antecipação. Nada, pelo contrário, apenas perderia. É muito diferente sermos confrontados com a inutilidade das nossas crenças do que com um upgrade. Depois um fruto proibido é sempre mais apetecível, para quê criar mais um, é mais inteligente dizer para se comer x porque é melhor do que y em vez de se proibir y. Já nutria uma certa admiração intelectual por Maomé, hoje mais o admiro pois desconhecia o que recentemente me chegou aos ouvidos. Parece que, também segundo o Corão, o dia do julgamento final, será aquele em que Cristo se anunciar novamente ao mundo, ao serviço de Alá e desempenhando as funções de juiz. Porquê este papel para Cristo? Aqui o ateu opina que Maomé, tendo consciência do poder da religião cristã, receava que algum tipo inteligente como ele se fizesse passar por Cristo e pusesse em causa todos os seus ensinamentos. Assim de forma a garantir que tal não acontecesse, nada melhor que reservar um papel para o seu rival lá para o final dos tempos. Como o fim do mundo motivado por decisões divinais nunca se sucederá (eu sei porque Deus mo disse e que também o havia dito a Maomé), qualquer nova aparição de Cristo que não acompanhada pelo juízo final (todas) seria encarada como trapaceira. Concluindo, um homem brilhante.
publicado por Conde da Buraca às 13:41
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 24 de Dezembro de 2006

Conto de Natal


A mãe que atormentada por um forte e agoniante pressentimento convence o seu filho anão a desistir de acompanhar o Pai Natal na viagem de trenó prevista para a noite desse mesmo dia. Umas horas depois, ao ligar a televisão, não quer acreditar, o dito trenó despenhara-se, levando consigo a vida de todos os ocupantes. Invadida por um sentimento misto de horror e de felicidade corre na direcção do quarto do descendente, onde sobre a cama, se depara com o seu cadáver.
tags:
publicado por Conde da Buraca às 02:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

E por falar em Serial Killers

Já tem algum calendário para 2007?

tags:
publicado por Conde da Buraca às 17:45
link do post | comentar | favorito
|

Os Assassinos também têm Coração

 

Escutem lá esta pérola musical. Dá vontade de adoptar e criar um psicopata homicida no aconchego do nosso lar. Depois lê-se a biografia (esta é mais curta) do tipo e a ideia rapidamente se esvanece.

Sufjan Stevens - John Wayne Gacy, Jr.

His father was a drinker and his mother cried in bed
Folding John Wayne's t-shirts when the swingset hit his head
The neighbors they adored him
For his humor and his conversation
Look underneath the house there
Find the few living things, rotting fast, in their sleep
Oh the dead
27 people
Even more, they were boys, with their cars, summer jobs
Oh my God
Are you one of them?
He dressed up like a clown for them
With his face paint white and red
And on his best behavior
In a dark room on the bed he kissed them all
He'd kill ten thousand people
With a slight of his hand, running far, running fast to the dead
He took off all their clothes for them
He put a cloth on their lips, quiet hands, quiet kiss on the mouth
And in my best behavior
I am really just like him
Look beneath the floor boards
For the secrets I have hid
tags:
publicado por Conde da Buraca às 17:21
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Dezembro de 2006

China #1 - E o Autor Volta a Confessar-se

(Fotografia do belíssimo Picture China)
 
Sabendo eu que a minha pessoa se encontra a viver em Beijing, logo ali vi uma oportunidade para enriquecer o conteúdo do blog, a reacção do convidado foi positiva, tendo este se disponibilizado de imediato a, com alguma regularidade, aqui passar e deixar uns relatos do que os seus olhos vão observando. Passemos então às palavras de quem de direito, Senhores e Senhoras, temos o prazer de vos apresentar, from China, Beijing, Conde da Buraca:
 
“Olá a todos, desde já uma palavra de agradecimento ao Conde pelo convite que tanto me honra, conheço-o desde que nasci e com ele tenho compartilhado todos os momentos da sua existência, não podia dizer que não. És o Maior, pá !!! Não sei se será possível resistir à tentação mas tentarei evitar comentários aprofundados de teor político, pretendo sim explorar outras temáticas como por exemplo a batalha entre a globalização e uma cultura milenar tão distinta como o é a chinesa. Ou ainda focar aquilo que aos olhos dos ocidentais não é nada comum, por vezes “bizarro”, nos comportamentos dos habitantes deste enorme canto do planeta. Depois o sangue azul que me corre nas veias obriga a que a história e as estórias também digam presente, ideias não faltam, vamos lá a ver é se tenho dedos para elas.”
 
Conde da Buraca
publicado por Conde da Buraca às 03:32
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2006

Os Números estão na Moda

A guerra pela posição nas listas de blogs já tem barbas, no inicio a técnica era escolher um nome que começasse com a letra A, além de se ficar no topo da lista e por consequente mais visível, aumentavam também as hipóteses de uma pequena parte dos muitos leitores do Abrupto, por engano, clicarem no link do seu blog. O abuso desta técnica chegou ao ponto de aqueles cujo título da sua preferência estava destinado aos confins das listas, resolvessem o problema introduzindo os artigos definidos “A” ou “As”. Hoje emerge um novo fenómeno, os títulos com números. Não é de agora mas é nestes últimos meses que ganha um fôlego importante, primeiro com esta malta e depois com esta. Não se tratam de bloggers em início de carreira, mas sim de consagrados, cujos nomes por si só são suficientes para atrair muitos visitantes. Será então coincidência ou as duas grandes novidades da Blogosfera Nacional, apesar do estatuto dos seus autores, não abdicaram de recorrer a este recurso para garantir um lugar na pole position. Se assim foi, qual o mal que vem ao mundo? Nenhum, mas dá um certo gozo constatá-lo. Aliás, esperançado que o fenómeno alastre já tratei de registar a autoria do título “- Infinito “, quem sabe ainda venho a ganhar umas boas massas.
publicado por Conde da Buraca às 17:41
link do post | comentar | favorito
|

O Autor Confessa-se

Uma pequena revelação, não sou um programa informático.
publicado por Conde da Buraca às 06:33
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 12 de Dezembro de 2006

Oferta de Emprego-Empresário e Consultor de Imagem - Enviar Currículo para o Gab.Rec.Hum. do Paraíso

É verdade, a carreira de Deus já viveu melhores dias, a continuar assim, corre o risco de se transformar numa espécie de banda do tipo os ABBA que ano sim, ano sim, lá pelo Natal, relembram-nos da sua existência, lançando um Best Off com uma nova sequência das mesmas músicas de sempre. Não obstante ser de louvar o esforço descomunal que a referida banda desenvolve para que, ano após ano, as posições dos hits não se repitam (aproveito para informar que a última música da Colectânea de 91 é a primeira da de 92, o que é chato para quem ouve os dois álbuns de seguida, um pormenor a melhorar), uma audição mais experiente acabará por detectar com algum custo, é verdade, que não há nada de novo (lamentámos decepciona-lo). Serve a analogia para registar que Deus, talvez pelo estatuto de estrela que adquiriu ao longo dos séculos, já não sente necessidade de aparições públicas ou de compor novos milagres. Os clássicos continuam a ser grandes Obras, especialmente Fátima, aí transcendeu-se, fazer com que o movimento do Sol apenas fosse observado na Cova da Iria e não provocasse a desintegração do sistema solar, não é para qualquer um, genial, estiveste bem pá. Pena é que só se dê importância à aparição da Virgem, nada que não surpreenda neste mundo que não sabe quem foi o primeiro Prémio Nobel da Física mas não esquece o primeiro anúncio televisivo da Maxman (já agora, se alguém tiver o vídeo, o e-mail está ali na coluna do lado). Pois… Deixemo-nos de desabafos e vamos ao que nos trouxe por cá, o problema é que foi precisamente no século de todas as mudanças que Deus decidiu recolher-se nos seus aposentos celestiais. Problema, porque relatos de milagres com pastorinhos e ovelhas já não cativam as crianças, há que renovar o stock com personagens e objectos do nosso tempo. Talvez uma criança que se delicia com a morte do seu centésimo tamagochi por maus tratos e, de repente, do nada, surge uma luz ofuscante que a cega temporariamente e a repreende de tal forma que, quando desaparece, o menino decide tornar-se num missionário e, de casa em casa dos seus colegas de escola, alimentar os tamagochis oprimidos. Depois esse estilo discreto pode ter funcionado no passado, quando não havia televisão, Internet, o pessoal deitava-se ao pôr do sol, acordava com o cantar do galo e o único livro em casa era a Bíblia, mas no século XXI é suicídio (pecado). As famílias são constantemente bombardeadas com informação de todo o tipo que as levam a descurar, duvidar ou mesmo a ignorar os ensinamentos religiosos, são teorias evolucionistas, são os Códigos Davinci´s, os Hélderes que não largam a porta de casa, a provocante vizinha do lado (as vestes mudaram muito, melhor, diminuíram muito), o papa que não dá uma para a caixa e sei lá que mais. Quem tem fé deve resistir às tentações, tudo bem, mas uma aparição de vez em quando ajudava. E o que dizer das cada vez mais crianças que crescem sem os ensinamento das palavras santas dos evangelhos, também serão elas pecadoras? Não, claro que não. A mudança não pode ser mais adiada, o contacto com os humanos tem que ser mais directo, mais agressivo. Porque não se aproveita as novas tecnologias? Talvez um website onde Deus respoderia online às dúvidas dos crentes, onde se poderia downloadar os melhores milagres de sempre, com jogos religiosos para crianças, concursos que premiassem prémios aliciantes do tipo canetas e aventais com a inscrição “Jesus is Sexy”. E porque não, um God´s World Tour, ahh? Grandes palcos, onde ao vivo, Deus, him self, curava em simultâneo um paralítico e um cego para delírio da multidão, para o encore, se a actuação fosse na Etiópia ou na Somália, reservava-se o milagre da multiplicação do pão e do peixe. Enfim, uma imensidão de possibilidades que não são aproveitadas pelo nosso criador. Uma, apenas uma explicação é aceitável para tal displicência, Deus está mal acompanhado, está rodeado por conselheiros que de nada o informam, incompetentes que se agarraram às mordomias adquiridas, só pode ser isso, Deus não nos abandonaria…
publicado por Conde da Buraca às 14:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2006

Arranque

Este espaço tem como único objectivo testar aquela velha máxima de que não há duas pessoas iguais. O processo é muito simples, assemelha-se a um ensaio de peneiração. Para quem não o conhece, consiste na passagem de uma amostra de solo por uma pilha de peneiros colocada sobre um aparelho que a agita. Como a densidade da malha dos peneiros vai aumentando desde o de topo até o de baixo, no fim do ensaio é possível caracterizar o solo granulométricamente. No caso concreto desta coisa que dizem ser um blog (ou blogue, não sei e tb não interessa) os peneiros serão os posts e os grãos serão os excelentíssimos comentadores. Já perceberam? Eu explico melhor, vocês serão as cobaias de uma experiência inovadora. Aquele que atingir o peneiro de baixo será aquele que contrariará a tal máxima referida no início desta introdução. Ou seja, esse infeliz animal constatará que é igual aqui ao je. Depois, é claro, terei que o assassinar (espero que este pequeno pormenor não vos iniba de participar), o mundo não gosta que se contrarie as leis seculares. Prevê-se que será uma longa maratona mas uma vez que a esperança média de vida tem vindo a aumentar o autor está confiante. Pronto já está, sejam muito bem vindos !!! AH AH AH AH AH AH AH !!! que começo mais infeliz … E nem sequer é verdade, o nome do blog foi escolhido abrindo uma página do dicionário ao acaso. Consegui, disse-o, hummmm, que sensação maravilhosa, ouviram bem? Não há qualquer conteúdo semântico na palavra Peneirar !!! É apenas um título oco, vazio, nada mais…
publicado por Conde da Buraca às 15:52
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
clique no imagem para enviar e-mail peneirar@gmail.com


Clique aqui e aceda ao Peneirar pelo tapete vermelho

.pesquisar

 

.links

.posts recentes

. “Não se distingue se é um...

. Conversas no Divã

. Amo-te. É isso que eu ten...

. Uma Questão de Democracia

. Ka Ganda Vaca

. Coisas Boas – Broken Soci...

. Vende-se Voto

. Reflexões pós chifres

. Mais um sector em crise

. Aqui não passaram

.arquivos

. Novembro 2015

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds