Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

O que está por detrás de um caracter chinês # 01

Conforme prometido, inicio com este texto um conjunto de posts dedicado às origens e histórias que se escondem por detrás dos caracteres chineses. O cartoon que encabeça o post ilustra a evolução do caracter que representa esse enigmático ser que desde os tempos da criação nos leva a cometer os actos mais irracionais (se não fosse por ela, hoje continuaríamos a viver despreocupadamente no Paraíso sem precisar de trabalhar). É um dos 254 radicais que permitem classificar os caracteres num dicionário e como tal repete-se inúmeras vezes na composição destes. Situação dos dois que escolhi para hoje apresentar, cujos porquês da sua construção revestem-se de especial interesse pelo facto de se constatar que o modo como a mulher(nu) de então era vista não está assim tão distante da forma como o é nos nossos dias.
O primeiro é (an) que tem como significado a paz. Desenganem-se aqueles que já imaginam a mulher como fonte inspiradora de tranquilidade, pelo contrário a sua presença debaixo de um tecto indica-nos a quantidade ideal desta espécime em cada lar de forma a que a paz seja a atmosfera reinante. O cartoon que se segue é suficientemente esclarecedor quanto a isso. Descubram as diferenças entre o primeiro exemplo com apenas uma mulher e o segundo com duas.
O segundo é (qi) que tem como significado esposa. Neste caso a presença da mulher é óbvia, sendo a parte superior do caracter, sem uma ajuda suplementar, completamente indecifrável. A lógica obriga-nos a deduzir de que se trata de algo que simboliza o novo estatuto da mulher pós-casamento. De facto assim é, esse conjunto de traços representa uma mão a segurar um objecto que desde sempre é reconhecido como muito próximo da mulher (especialmente da casada) e quase do seu exclusivo uso. O próximo cartoon apresenta-nos o comovente momento em que o marido oferece esse simbólico objecto.

Nota: todos os cartoons foram retirados do livro “What´s in a Chinese Character”
publicado por Conde da Buraca às 13:47
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 18 de Novembro de 2007

O óleo mata

 

Via Leocardo tive conhecimento de uma triste história por si só demonstrativa do fiasco que é o sistema político deste país. Meio milhão de pessoas concentrou-se às portas de um Carrefour numa das zonas mais prósperas da China, aguardando a abertura das portas para poderem comprar 5 litros de óleo alimentar em promoção nesse dia, aproximadamente 1 Euro mais barato. Resultado, 3 mortos e dezenas de feridos. Isto no ano do envio do primeiro satélite e a outro de distância do arranque dos jogos olimpicos. Nem Dali nos seus tempos de maior inspiração atingiu tal patamar.
tags:
publicado por Conde da Buraca às 08:15
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 17 de Novembro de 2007

O que é National é bom

  

Para aqueles que continuam a cá passar, recusando-se ao inevitável internamento psiquiátrico, fica esta pequena preciosidade de seu nome Fake Empire. Da autoria dos norte americanos The National , uma das novas coqueluches do panorama musical de 2007, é daquelas que se gosta à primeira e à segunda  ainda mais.

tags:
publicado por Conde da Buraca às 17:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 11 de Novembro de 2007

80 Sintomas de que está na hora de abalar da China

Preciosidade descoberta no Deserto de Gobi, eu cá já sofro de alguns:


1. You’re at an expensive western restaurant and don’t even notice the guy at the next table yelling into his cell phone

2. You enjoy karaoke

3. You walk backwards in the park listening to a transistor radio

4. The China Daily is your source for hard hitting, fast breaking, investigative journalism

5. You smoke in crowded elevators.

6. All white people look the same to you

7. You like the smell of the bus.

8. You find state-employed retail staff helpful, knowledgeable and friendly

9. You no longer need tissues to blow your nose

10. You find western toilets uncomfortable

11. You throw your used toilet paper in the basket (as a courtesy to the next person)

12. You think that the heavy air actually contains valuable nutrients that you need to stay healthy

13. You think a 30 year old woman who carries a Hello Kitty lunch box is cute

14. A sexual pervert is a man who prefers women to money.

15. It’s OK to throw rubbish, including old fridges, from your 18th-floor window

tags: ,
publicado por Conde da Buraca às 04:20
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

Mandarim

 

Já faz mais de um ano que assentei arraial por estas paragens com o propósito de dominar o melhor possível a principal língua materna do mundo. Não passa de uma opinião pessoal e, como tal, muito duvidosa mas estou cada vez mais convencido de que uma língua com a complexidade estrutural do Mandarim, apesar das reformas que sofreu ao longo dos séculos no sentido da simplificação, é um entrave ao desenvolvimento do País. Pode-se sempre rebater esta teoria com o exemplo do Japão mas também se poderia contrarebater afirmando que o extraordinário espírito trabalhador do povo japonês obteria ainda melhores resultados com uma escrita muito mais simples. O Mandarim escrito é composto por milhares de caracteres, uma monstruosidade que poucos ou ninguém domina na totalidade e que, com prejuízo no aprofundamento de outras matérias, obriga a um dispêndio de tempo suplementar na sua aprendizagem e a um consequente sub-aproveitamento do capital humano (o que, na verdade, é coisa que abunda por cá). Não obstante a imensidão há pequenos truques que facilitam a memorização de uma boa parte dos caracteres e que nos dão a conhecer um  pouco da  história, modo de pensar e  sentido de humor do povo chinês. Queria com este texto inaugurar uma nova tag exclusivamente dedicada ao Mandarim, não com qualquer pretensão didáctica mas apenas de compartilhar em futuros posts algumas das interessantes histórias que se escondem  por detrás dos caracteres, fazendo com que os nossos olhos ocidentais os encarem como algo mais do que um amontoado de rabiscos. What´s in a Chinese Character é o nome do livro  de onde, pelo menos nos primeiros posts, sugarei a informação, bem como os cartoons que ilustram a  evolução dos caracteres ao longo dos anos. Para abrir o apetite, fica-se já a saber que o primeiro, como não poderia deixar de ser, será dedicado à mulher. Espero que gostem.

publicado por Conde da Buraca às 14:11
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

O Vídeo do Momento

Ricky Gervais em mais um momento de pura genialidade, desta ironizando com aqueles que usam a miséria do terceiro mundo para se auto-promoveram. Não é o caso de Bono que não precisa de qualquer promoção e que até dá uma perninha no video.


tags:
publicado por Conde da Buraca às 14:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

Cassete Nix

Caro Ruinix ,

 

Recentemente tive a oportunidade de constatar in loco que mantém activada no seu blog a opção de  aprovação prévia dos comentários. Apesar de não utiliza-la neste espaço sou da opinião que é uma ferramenta útil quando, por exemplo, os textos são alvo de comentários insultuosos. Dedico-lhe este post não com o propósito de divagar sobre as vantagens ou desvantagens dessa opção mas para registar neste pequeno canto da web o modo reprovável como a utiliza. Isto vem a propósito do facto de ter censurado duas tentativas de comentar a seguinte passagem de um dos seus posts :

 

“Antes da entrada da China para a Organização Mundial do Comércio os poderes sombrios, da mentira, do terrorismo de estado passavam o tempo a denegrir a imagem da China, com as mais idiotas mentiras que se mantiveram até hoje, com o mais absurdo estupefaciente a que chamam noticias dos meios de referência, que obrigam o espectador a querer sempre mais.”

 

Pedi-lhe nas duas ocasiões se poderia descrever um pouco mais as tais idiotas mentiras que se mantiveram até hoje, tendo até referido que também me encontro a viver na China e como tal teria especial interesse nessa matéria. Os dias passaram, comentários posteriores de outros leitores foram merecendo a aprovação da administração enquanto que os meus, até hoje, continuam sob profunda avaliação. O pedido que lhe coloquei era simples e não continha qualquer tipo de insulto  pelo que sou levado a concluir que o critério de avaliação na sua caixa de comentários consiste na reprovação de todos que se afastam do género “Grande artigo, ...... :D”, ou ainda “Uma análise mto interessante. Concordo plenamente com oo k escreveste. grande texto”. Estou consciente que está no seu direito  gerir o blog da forma que melhor entende mas, usufruindo também desse mesmo direito, não posso  deixar de aqui referir que a já de si muito fraca argumentação dos seus posts políticos perde qualquer credibilidade com comportamentos desse tipo. Relativamente ao post que se seguiu com o título incrível de “Para ser mais rigoroso”, em que se agarra aos tradicionais estandartes  do comunismo como a educação, cultura e justiça social, lamento decepciona-lo mas não é na China que o Comunismo os consegue erguer, tente na Coreia do Norte. Quanto à justiça social, dê um saltinho a este link e poderá consultar um relatório do Banco de Desenvolvimento Asiático de 2004 (será que o ruinix considera esta fonte fidedigna?) cujas resultados apontam que na China, apesar do rápido crescimento económico, o fosso entre ricos e pobres é cada vez maior, sendo na data do estudo apenas superado pelo Brasil e pelo Nepal. Mais refere o Relatório que mantendo-se a tendência de então é muito provável que actualmente o nível de desigualdade seja equiparável ao do Brasil, a isto chama-se justiça social. Não lhe vou dizer o que alguns colegas chineses, ao fim de um ano de lenta construção de amizade, me relataram sobre o actual sistema de educação ou de saúde, provavelmente o ruinix não acreditaria. Mas fica o convite para quando tiver oportunidade de visitar a cidade que não tem olhado a custos na preparação dos próximos Jogos Olímpicos, terei todo o prazer em levá-lo a conhecer o que é perceptível com os próprios olhos. Como por exemplo, as condições degradantes dos hospitais públicos ou ainda as residências universitárias (mesmo em algumas das Universidades mais conceituadas) sem casas de banho dotadas de chuveiros (os alunos tem que atravessar a rua para ir tomar banho a uma espécie de balneário público) e cujos  quartos com capacidade máxima para dois alunos  albergam oito.  Para terminar gostaria só de lhe perguntar em que escolas de Portugal fez a sua formação,  queria reduzir ao máximo as probabilidades de um dia os meus filhos virem a pensar e a comportarem-se como o senhor. Obrigado.

 

tags: ,
publicado por Conde da Buraca às 18:36
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
clique no imagem para enviar e-mail peneirar@gmail.com


Clique aqui e aceda ao Peneirar pelo tapete vermelho

.pesquisar

 

.links

.posts recentes

. “Não se distingue se é um...

. Conversas no Divã

. Amo-te. É isso que eu ten...

. Uma Questão de Democracia

. Ka Ganda Vaca

. Coisas Boas – Broken Soci...

. Vende-se Voto

. Reflexões pós chifres

. Mais um sector em crise

. Aqui não passaram

.arquivos

. Novembro 2015

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds